Calendário de Eventos
 

 
 
 

BAFORADAS SEM PRAZER


Revista Veja, março de 2005
Texto de Paula Neiva

 

Depois da morfina, a nicotina é a droga que mais causa dependên cia. Por causa disso, poucos fumantes conseguem abandonar a dependência do cigarro — a taxa de sucesso dos tratamentos atuais é de apenas 25%, em média. Quatro novos medicamentos prometem tornar a luta contra o tabaco mais efetiva e menos penosa; comprimidos à base da substância varenicline, o Acomplia (nome comercial da substância rimonabant) e as vacinas NicVax e Ta-Nic.

 

"O grande trunfo do novo arsenal antifumo é fazer com que o ato de fumar deixe de proporcionar prazer ao fumante", diz a cardiologista Jaqueline Scholz Tssa, diretora do ambulatório de tabagismo do Instituto do Coração, de São Paulo. É o contrário do princípio das terapias tradicionais, que consistem no uso de antidepressivos ou na reposição de nicotina, por meio de adesivo transdérmico, chiclete ou spray nasal. Todas elas buscam emular os efeitos agradáveis do cigarro no organismo.

 

O lançamento do Acomplia no Brasil está previsto para 2006. O remédio atua no mecanismo cerebral de recompensa, inibindo a sensação de prazer proporcionada pela comida e pela nicotina. Dos pacientes tratados com Acomplia, 40% se livraram do cigarro. As vacinas, que estão em fase de testes, ainda não têm previsão de lançamento. Elas também buscam dissociar o ato de fumar de sensações gratificantes. Quanto aos comprimidos de varenicline, eles imitam a ação da nicotina no cérebro, satisfazendo a compulsão por cigarro.

 

Todos os anos 4 milhões de pessoas no mundo morrem vítimas de doenças associadas ao cigarro. O tabagismo está entre os principais fatores de risco para infartos, derrames, diabetes e vários tipos de câncer, entre outros males. Foi somente a partir do fim dos anos 80, no entanto, que o cerco ao tabagismo apertou, com a criação das primeiras leis antitabagistas. Os primeiros sinais da cruzada contra o fumo já começam a aparecer: no Brasil, o consumo anual de cigarros caiu 32% entre 1989 e 2002. Essa queda foi registrada sobretudo nas classes mais altas. Por ser extremamente nocivo à saú de, fumar passou a ser um ato socialmente condenável, associado a gente sem informação, Não é preconceito, não: pelas contas do Ministério da Saúde, a maioria dos fumantes brasileiros tem menos de oito anos de escolaridade. As campanhas contra o cigarro, portanto, deveriam ser direcionadas principalmente para esse público. Além disso, seria interessante que o sistema de saúde facilitasse o acesso aos diversos tratamentos — novos ou não — que combatem o tabagismo. ■

 

OS NOVOS REMÉDIOS CONTRA O CIGARRO

RIMONABANT

Batizado de Acomplia, o medicamento promete combater ao mesmo tempo o excesso de peso e o tabagismo. Ele-age no mecanismo cerebral de recompensa, inibindo a sensação de prazer proporcionada pela comida e peto cigarro. Deve chegar ao Brasil no ano que vem.

 

VERENICLINE

Ainda sem nome comercial, a sutstância imita a ação da nicotina no cérebro. Ou seja, com o remédio, o fumante satisfaz a sua compulsão por cigarro sem fumar. Depois de um ano de tratamento, até 60% dos pacientes abandonam o vício, segundo estudos recentes. Seu lançamento no Brasil está previsto para 2007.

 

NIC-VAX E TA-NIC

São vacinas que estimulama produção de anticorpos que se ligam à molécula de nicotina. Esses anticorpos impedem que a nicotina aja no cérebro, Com isso, o ato de fumar não proporciona nenhum prazer. As duas vacinas atada estão em fase de teste

 

 

 

 

PROJETO VIDA URGENTE
Rua Vanísia, 60 (Rua do Posto de Saúde) - Santa Cruz da Serra
Duque de Caxias - RJ

Telefones: (21) 2679-2648 / (21) 7138-0767 / (21) 7855-9648

REUNIÕES DE AJUDA PARA DEPENDENTES QUÍMICOS E FAMÍLIAS
Todos os sábados, às 19 horas